Piso e Consulta FENAM têm novo valor para 2017

PISO E CONSULTA FENAM TÊM NOVO VALOR PARA 2017

 

Foto: FENAM

13/01/2017

A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) divulgou nesta sexta-feira (13), o novo piso salarial dos profissionais médicos. Para 2017, o valor pleiteado é de R$ 13.847,93 para 20 horas semanais de trabalho. O valor é reajustado anualmente e serve para orientar as negociações coletivas da categoria.
O aumento é calculado segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice acumulado, em 2016, foi de 6,58%.
A Consulta FENAM também teve o valor alterado e agora passa a ser de R$ 170,00. O valor é o mínimo proposto pela FENAM para uma consulta médica. Durante meses, a entidade, buscou pesquisar juntamente dos sindicatos filiados para chegar a um valor que contemplasse os anseios da categoria e incluísse custos operacionais e de remuneração do trabalho médico.
O presidente da FENAM, Otto Baptista, defende que o valor do Piso seja a remuneração mínima a todos os médicos, tanto no serviço público quanto no privado. “O empregador sempre vai colocar obstáculos para o pagamento do Piso FENAM. Por isso, devemos ter a consciência do valor da nossa formação e do exercício da medicina. O primeiro passo é estabelecer estratégias em cada sindicato de base, pleiteando o que é justo”, explicou.
Confira a evolução do Piso FENAM:
2001 R$ 2.132,89 – 10 horas/semanais
2002 R$ 2.132,89 – 10 h
2003 R$ 2.711,11 – 10 h
2004 R$ 2.947,24 – 10 h
2005 R$ 3.313,24 – 10 h
2006 R$ 3.353,33 – 10 h
2007 R$ 3.481,76 – 10 h
2008 R$ 7.503,18 – 20 h
2009 R$ 8.239,24 – 20 h
2010 R$ 8.594,35 – 20 h
2011 R$ 9.188,22 – 20 h
2012 R$ 9.813,00 – 20 h
2013 R$ 10.412,00 – 20 h
2014 R$ 10.991,19 – 20 h
2015 R$ 11.675,94 – 20 h
2016 R$ 12.993,00 – 20 h
2017 R$ 13.847,93 – 20 h

Fonte: FENAM

Anúncios
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

PISO FENAM PARA 2016 – R$ 12.993,00

CLIQUE NA IMAGEM
20/01/2016
A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) divulgou nesta quarta-feira (20), em Brasília, o novo piso salarial dos profissionais médicos. Para 2016, o valor pleiteado é de R$ 12.993,00 para 20 horas semanais de trabalho. O valor é calculado anualmente, e serve para orientar as negociações coletivas da categoria. A FENAM é a representante dos médicos em grau superior, e recomenda que o referencial integre as pautas de luta nos sindicatos de base.
O presidente da FENAM, Otto Baptista, defende que o valor do piso FENAM seja a remuneração mínima a todos os médicos, seja do serviço público ou privado. Esta é uma das bandeiras de luta da FENAM que representa 400 mil médicos. O piso FENAM também é importante para nortear o valor da remuneração por plantão que é praticado em contratos nos setores público e privado.
 “O empregador sempre vai colocar obstáculos para o pagamento do piso FENAM. Por isso, devemos ter a consciência do valor da nossa formação e do exercício da medicina. O primeiro passo para isso é estabelecer estratégias em cada sindicato de base, pleiteando o que é justo”, explicou.
A FENAM denuncia que em algumas cidades o valor pago ao médico só está próximo do piso FENAM com o acréscimo das gratificações e outros penduricalhos. “O médico não está preocupado com a aposentadoria. O salário oferecido é muito baixo e quando se aposenta ou se afasta por problemas de saúde não recebe as gratificações. Isso é muito ruim para a categoria e para o orçamento familiar”, alerta o presidente da FENAM.
Para calcular o reajuste é utilizado o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice acumulado, em 2016, foi de 11,28%. Em 2015, o valor defendido para a remuneração da categoria médica era de R$ 11.675,94.
Confira a evolução do Piso FENAM:
2008  R$ 7.503,18  20 horas/semanais
2009 R$ 8.239,24 20 h
2010 R$ 8.594,35 20 h
2011  R$ 9.188,22  20 h
2012  R$ 9.813,00 20 h
2013  R$10.412,00 20 h
2014 R$ 10.991,19 20 h
2015 R$ 11.675,94 20h
Fonte: Valéria Amaral
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

MÉDICOS CONTINUAM SEM RECEBER!

FOLHA DA MANHA

Médicos apontam risco de paralisação

Marcus Pinheiro
Foto: Genilson Pessanha
Há nove meses sem salários, médicos responsáveis pelo atendimento à rede contratualizada da Central de Regulação da secretaria municipal de Saúde de Campos ameaçam cruzar os braços nos próximos dias em caso de não regularização da remuneração. A decisão será deliberada na noite desta terça-feira (12), em uma assembleia que será realizada na sede do Sindicato dos Médicos de Campos (Simec) a partir das 19h. O drama vivenciado pelos profissionais de medicina, prestadores de serviços conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS), não é novo, e em 2015 foi motivo de diversas reuniões entre os representantes da classe e do poder público municipal chegando até mesmo a ser levado ao Ministério Público Estadual. O ano virou, ainda assim, pouco foi feito. Segundo a categoria, a última remuneração paga aos profissionais ocorreu em novembro, tendo como referência o mês de abril.
O presidente do Simec, José Roberto Crespo, que no último mês de dezembro afirmou que a situação da categoria era insustentável, na noite dessa segunda-feira mais uma vez reiterou sua declaração e garantiu que “a possibilidade de uma paralisação nos próximos dias seria uma das alternativas mais extremadas vistas pela classe. Entretanto, se nada for feito, não haverá outra saída a não ser suspender o atendimento”.
— Mais uma vez estaremos reunidos para discutirmos o futuro da categoria no município. Existem profissionais sem receber por procedimentos realizados no ano de 2014. Algo precisa ser feito. E precisamos que o poder público municipal se posicione, pois parte da remuneração da categoria é feita por meio de complementação do município e outra através de repasse federal. Mas, ambas passam pela Gestão Plena da Prefeitura — disse o presidente.
Em nota, a assessoria de comunicação da secretaria municipal de Saúde afirmou que a responsabilidade dos pagamentos aos profissionais é dos hospitais contratualizados. “O pagamento dos servidores estatutários (efetivos) está em dia. De 2010 a 2015, a Prefeitura de Campos repassou quase R$ 870 milhões aos hospitais contratualizados à secretaria municipal de Saúde. A quantia diz respeito aos pagamentos feitos com recursos dos royalties do petróleo e de verba federal, do Fundo Nacional de Saúde. Somente em 2015, as unidades receberam quase R$ 154 milhões”, informou.
12/01/2016 11:00
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Assembleia Geral dia 12/01/2016 – Pagamentos do SUS

SINDICATO DOS MÉDICOS DE CAMPOS
       FILIADA À FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS
CNPJ- 30.405.708/0001-93
   SEDE: Av. Alberto Torres, 205 – Tel/Fax: 2723-2593 – 2724-2664 – 
E-mailsindicatodosmedicosdecampos@gmail.com
Blog : htt://simec-simec.blogspot.com
Campos – RJ
CONVOCAÇÃO
VIMOS POR MEIO DESTA CONVOCAR TODOS OS COLEGAS MÉDICOS QUE TRABALHAM NOS HOSPITAIS CONVENIADOS AO SUS PARA DECIDIRMOS OS CAMINHOS A SEREM TOMADOS PELA CATEGORIA, JÁ QUE CONTINUA A FALTA DE PAGAMENTOS DOS PROCEDIMENTOS MÉDICOS HOSPITALARES.
DATA: 12/01/2016
HORA: 19h00min 
Local: AUDITÓRIO DA SFMC
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

FELIZ 2016!

FELIZ 2016!

cartão de ano novo 2016
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Geral – Pagamento em dia é solução Folha da Manhã Online

Fonte: Geral – Pagamento em dia é solução Folha da Manhã Online

Pagamento em dia é solução

Sem dinheiro, hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de contratualização à Central de Regulação da secretaria de Saúde de Campos, permanecem sofrendo com os resultados dos constantes atrasos nos repasses das verbas federais e municipais referentes a procedimentos realizados feitos pela Gestão Plena da Prefeitura. No último dia 24, o Hospital Escola Álvaro Alvim (HEAA) suspendeu variados procedimentos cirúrgicos. As causas seriam “dificuldades de caixa”. A suspensão ocorreu um mês após outra interrupção nos serviços médicos do SUS quando a junta interventora responsável pela administração da Santa Casa de Misericórdia, devido a possíveis atrasos.

Os problemas financeiros das unidades conveniadas aparentemente estão longe do fim. Sem salários há oito meses, agora são os médicos que ameaçam paralisar os serviços caso a dívida não seja quitada nos próximos dias. Na noite dessa sexta-feira (18), profissionais do setor se reuniram em uma assembléia geral extraordinária na sede do Sindicato dos Médicos de Campos (Simec), com o intuito de definir novas diretrizes em favor da pontualidade na remuneração dos profissionais do setor.

De acordo com o presidente do Simec, José Roberto Crespo, os atrasos nos repasses se arrastam por vários anos. No entanto, teria agravado em 2015. Segundo ele, os profissionais estão a cada dia mais desmotivados e propensos a abandonarem seus postos de trabalho.

— A única solução é executar o repasse da verba dos procedimentos realizados diretamente do fundo nacional de Saúde para as contas dos médicos. É preciso ser pontual — disse.

Para o coordenador geral do Centro de Terapia Intensiva da Santa Casa de Misericórdia, Manoel Corraes Neto, para que os problemas de atrasos nos pagamentos dos médicos bem como as dificuldades financeiras vivenciadas pelos hospitais sejam solucionados seria necessário um encontro de contas entre a Prefeitura e as unidades hospitalares contratualizadas. “Desta forma é possível que as coisas cheguem ao 0 a 0”, disse.

Secretário garante repasses federais do SUS

Em recente entrevista à Folha, o secretário de Saúde e presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Geraldo Venâncio, garantiu que os repasses referentes às verbas federais do SUS seriam pagos aos hospitais contratualizados em até o segundo dia útil a partir do recebimento da soma pelo fundo municipal.

— Este é um compromisso meu com os hospitais. Sob o ponto de vista burocrático, o recurso chegou você fazer toda a conferência no fundo municipal, e firmar o pé, garantindo que o pagamento irá ser executado sem cortes. Este compromisso com relação ao recurso federal está sendo cumprido — disse.

Debate — Nessa sexta, o presidente da Comissão de Defesa de Saúde da Câmara Municipal de Campos, Paulo Hirano, se reuniu com outros vereadores, para discutir atraso dos repasses de verbas federais para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo a assessoria da secretaria de Saúde, o Ministério da Saúde não depositou cerca de R$ 9 milhões na conta do Fundo Municipal de Saúde previstos para este mês.

— O problema implica em dificuldades na execução de ações e de serviços de saúde em todo o país. A falta de repasse desse nível repercute em toda assistência pública do país e, principalmente em nossa cidade. Estamos atentos a esse processo e nos reportaremos aos canais competentes, como o Conselho Estadual das Secretarias Municipais de Saúde (COSEMS) e Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS). Não podemos ficar calados e vamos pedir um posicionamento ao governo federal — afirmou Paulo Hirano.

(M.P.)

19/12/2015 12:12
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Geral – Medicos continuam sem receber Folha da Manhã Online

Fonte: Geral – Medicos continuam sem receber Folha da Manhã Online

Medicos continuam sem receber

Marcus Pinheiro
Foto: Genilson Pessanha

“A classe médica não aguenta mais a falta de compromisso do governo municipal com a Saúde em Campos”. A afirmação é do presidente do Sindicato dos Médicos de Campos (Simec), José Roberto Crespo, sobre os atrasos nos salários dos médicos que atendem aos hospitais da rede contratualizada do município, que estariam ocorrendo em face de cortes e atrasos nos repasses municipais e federais feitos pela Prefeitura. O mesmo caso foi motivo de uma audiência, realizada em junho. O juiz Ralph Manhães, da 1ª Vara Cível, fez diversas determinações em favor da categoria que estava há cinco meses sem remuneração. No entanto, segundo o presidente do SIMEC, estas não estariam sendo cumpridas.

— A situação dos médicos é complicada e está ficando insustentável. Este cenário necessita de forma urgente ser alterado, os médicos não podem continuar bancando todo o sistema de saúde como ocorre há tempos em Campos — declarou Crespo. Segundo o presidente do Simec, o último pagamento aconteceu em setembro. “Este repasse foi referente ao mês de março, e já estamos em novembro. Este dado comprova o tormento vivido por nós médicos”.

Caso a Prefeitura não se posicione através da secretaria de Saúde nos próximos 15 dias, o presidente do Simec sinalizou que haverá um chamamento de toda a categoria para que, em assembleia, seja decidido o futuro do atendimento nas unidades contratualizadas.

Em nota, a secretaria de Saúde informou que os pagamentos dos médicos concursados, que atuam nas unidades da rede municipal, são feitos sempre em dia pela Prefeitura. Quanto à relação de trabalho entre os médicos e as instituições particulares contratualizadas, essa é uma questão interna das mesmas. Portanto, a responsabilidade de pagar os médicos não seria da Prefeitura. “A relação de contratualização com essas unidades visa a oferta de serviços. A secretaria de Saúde repassou às unidades, este ano, mais de R$ 112 milhões em recursos. Na próxima semana, novo pagamento será efetuado”, relatou a nota.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário